Chamada para envio de Artigos – Revista Paisagem e Ambiente 2012

Estamos convidando todos os colegas, mestrandos, doutorandos e demais pesquisadores a enviarem artigos para os dois próximos números da Revista Paisagem e Ambiente: ensaios, em fase de preparação e com edição prevista para 2012.

A edição nº 31 versará sobre o tema História do Paisagismo e da Paisagem, contando com textos que abordem a evolução, o processo de produção e as características dos espaços livres na constituição das cidades brasileiras e latino-americanas.

O prazo para envio dos artigos é dia 31 de março. A edição nº 32 não seguirá uma temática específica, estando aberta ao recebimento de artigos nas áreas já consagradas pela publicação: Arquitetura Paisagística, Planejamento Ambiental e Meio Ambiente. O prazo para envio dos artigos é dia 20 de abril.

As normas para publicação podem ser obtidas no final de cada exemplar da revista ou através do e-mail: paisagismo@usp.br, com Eliane.

Atenciosamente,

Prof. Dr. Silvio Soares Macedo
Editor da Revista Paisagem e Ambiente: ensaios
Depto de Projeto / FAUUSP

Anúncios
Publicado em Revista Paisagem e Ambiente | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

VI COLÓQUIO QUAPÁ-SEL


14 E 15 DE NOVEMBRO DE 2011 / FAU-MARANHÃO SP

PROGRAMAÇÃO

Dia 14/11 (Segunda-feira)

08h30: Inscrição e distribuição de material
09h00: Palestra Prof. Dr. Silvio Soares Macedo
09h30: Palestra Profa. Dra. Stael de Alvarenga Pereira Costa
10h15: Intervalo
10h45: Apresentação de trabalhos em sessões paralelas
13h00 – 14h00: Almoço
14h00 – 17h00: Grupos de trabalho
17h00 – 17h30: Café
17h30 – 19h00: Apresentação dos resultados da tarde

Dia 15/11 (Terça-feira)

09h00: Palestra Prof. Dr. João Meyer
09h40: Palestra Ms Alexandre Hepner

10h15: Apresentação: “Procedimentos para análise da forma urbana”

10h30: Intervalo
10h45: Grupos de trabalho
13h00 – 14h00: Almoço
14h00 – 17h00: Grupos de trabalho
17h00 – 17h30: Café
17h30 – 19h00: Apresentação dos resultados da tarde e conclusões do evento

 

 

 

Apresentação dos trabalhos (Dia 14/11, segunda-feira, período manhã)

Os artigos aceitos serão apresentados em 03 salas, devendo ser respeitado o tempo de 15 minutos de exposição para cada trabalho. As salas serão dividas de acordo com as seguintes temáticas:

 

Sala 1: Conceitos e Métodos

A1. REDEFININDO OS LIMITES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

Valéria Roma Martins, Denise Alcântara, Andrea Rego, Maria Angela Dias, Vera Regina Tângari

A4. AMORFOLOGIA URBANA COMO ABORDAGEM METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DA FORMA E DA PAISAGEM DE ASSENTAMENTOS URBANOS

Alessandro Filla Rosaneli

A9. UMA INOVAÇÃO METODOLÓGICA NO ESTUDO DAS UNIDADES DE PAISAGEM: As Oficinas Locais nos municípios influenciados pelo Arco Metropolitano

Inês Isidoro, Denise de Alcantara, Vera Regina Tângari

A13. paisagem e planejamento do sistema de espaços livres sob a influência do arco metropolitano do rio de janeiro: MAGÉ

Andréa Queiroz Rêgo, Vera Regina Tângari, Rebeca Braga Gomes

A14. Mudanças climáticas: ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS NO ESTUDO DA FORMA urbana

Vera Regina Tângari,  Laura Machado de Mello Bueno, Jonathas Magalhães Pereira da Silva, Cláudia Cotrim Pezzuto, Rita de Cássia Martins Montezuma, Andrea de Queiroz Rego

A17. Unidades de paisagem e o processo de compreensão da forma urbana

Jonathas Magalhães Pereira Silva, Claudio Manetti, Vera R. Tângari

A20. OS CONCEITOS MORFOLÓGICOS COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE DOS ESPAÇOS LIVRES

Stael de Alvarenga Pereira Costa, Marieta Cardoso Maciel, Maria Cristina Villefort Teixeira

A25. CONFIGURAÇÃO ESPACIAL, ADENSAMENTOS, ESPAÇOS LIVRES E ESFERA PÚBLICA: ELEMENTOS DO DISCURSO ANALÍTICO PARA ESTUDO DA FORMA URBANA

Manoel Lemes da Silva Neto

A26. CONFIGURAÇÃO ESPACIAL E URBANIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA NO BRASIL: PARÂMETROS TEÓRICOS PARA ESTUDO DA FORMA URBANA

Manoel Lemes da Silva Neto

OBSERVAÇÂO 1: os artigos A1, A9 e A13 deverão ser concentrados em uma única apresentação organizada de modo a ocuparem, no máximo, 30 minutos do tempo total destinado a esta sala.

OBSERVAÇÂO 2: os artigos A25 e A26 deverão ser concentrados em uma única apresentação organizada de modo a ocuparem, no máximo, 20 minutos do tempo total destinado a esta sala.

Sala 2: Espaços livres públicos e privados: modelos e processos de gestão

A7. ESPAÇOS LIVRES PRIVADOS NA REGIÃO DE VITÓRIA – UMA ABORDAGEM GERAL

Eneida Maria Souza Mendonça, Mabelly Brioschi Coelho, Sheila Cristina Krüger Macedo, Taís Rodrigues de Souza Tostes, Wesley Rossi

A15. AOUTRA FACE DE BRASÍLIA: OS PARCELAMENTOS IRREGULARES E A CIDADE INTRAMUROS

Maria Alice Sampaio

A19. AINSERÇÃO DO NOVO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DA USP NA CIDADE DE SÃO CARLOS: CONVERGÊNCIAS E DISSENSÕES NA CONSTRUÇÃO DE UMA PAISAGEM EXEMPLAR.

Luciana Bongiovanni Martins Schenk

A22. O LUGAR DO PÁTIO ESCOLAR NO SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES DO RIO DE JANEIRO: RESULTADOS PRELIMINARES

Giselle Arteiro N. Azevedo; Vera Regina Tângari; Paulo Afonso Rheingantz; Vanessa Barbosa de Oliveira; Valéria Roma Martins; Rodrigo Castro

A24 PAISAGENS DISPERSAS: UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DA FORMA URBANA PELA INICIATIVA PRIVADA NO MUNICÍPIO DE COTIA

Leonardo Loyolla Coelho

Sala 3: A dimensão da paisagem urbana

A2. O SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES E A CONSTITUIÇÃO DA FORMA URBANA NA CIDADE DE UBERLÂNDIA, MG

Glauco de Paula Cocozza, Lucas Martins de Oliveira, Izabela Dalla Libera

A3. FORMAs e usos DAS CALÇADAS nas RUAS CENTRAIS DE MUNICÍPIOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

Alessandro Filla Rosaneli, Nisiane Madalozzo, Caroline Sampaio de Oliveira, Pâmela Cristina Bettega, Márcia Maíra Machado, Gabriela Ruales Orbes, Denilza Queiroz

A6. CONFIGURAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA/ES: REFLEXÕES SOBRE OS ESPAÇOS LIVRES E ÁREAS AMBIENTALMENTE FRAGILIZADAS

Daniele Goldner Garcia

A10.  CONSIDERAÇÕES SOBRE MORFOLOGIA URBANA E SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES NA HISTÓRIA DAS CIDADES BRASILEIRAS

Lucimara Albieri de Oliveira

A12.  OS SISTEMAS DE ESPAÇOS LIVRES NAS CIDADES NOVAS PLANEJADAS DO NORTE DO PARANÁ E SUAS UNIDADES DE PAISAGEM

Renato Leão Rego, Gislaine Elizete Beloto, Karin Schwabe Meneguetti

A16. APAISAGEM URBANA E O SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES DA CIDADE DE TERESINA, PIAUÍ

Wilza Gomes Reis Lopes, Karenina Cardoso Matos, Nícia Bezerra Formiga Leite, Aureo Vitor de Souza Moura, Deisy Nayanny de Brito Silva, Felipe Ferreira Monteiro, Jefferson Macedo Cruz Tavares, Nádia Regina Braga dos Santos

 

A21. SOBRE ESPAÇOS PÚBLICOS POTENCIALMENTE EDUCADORES

José Roberto Merlin, Eugenio Fernandes Queiroga

Grupos de Trabalho (14/11, período manhã e 15/11, períodos manhã e tarde)

GT1: Sistema de espaços livres e forma urbana, divididos nos seguintes sub-grupos: conceito; processo de produção e meio ambiente; métodos e instrumentos de análise.

GT2: Cidades brasileiras: paisagem e forma urbana (estudo de casos com análise de mapas produzidos).

GT3: A constituição da forma urbana contemporânea na cidade brasileira.

Taxa de participação

R$ 20,00 para estudantes

R$ 50,00 para profissionais

Comissão Organizadora do VI Colóquio

Silvio Soares Macedo, Eugenio Queiroga, Fany Galender, Ana Cecília de Arruda Campos

Comissão Científica

Silvio Soares Macedo, Eugenio Queiroga, Fany Galender, Ana Cecília de Arruda Campos, Helena Degreas, Vanderli Custódio, Rogério Akamine, Fabio Mariz Gonçalves, Jonathas M.P.Silva

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com | Deixe um comentário

REDEFININDO OS LIMITES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

Valéria Roma Martins
Arquiteta, mestranda do PROARQ-FAU-UFRJ

Denise Alcantara
Arquiteta, Doutor. Pesquisadora Pós-Doutoral SEL-RJ/PROARQ-FAU-UFRJ

Andrea Rego
Arquiteta, Doutor. Professor Adjunto da UFRJ.

Maria Ângela Dias
Arquiteta, Doutor. Professor Associado 2 da UFRJ.

Vera Regina Tângari
Arquiteta, doutor. Professor Adjunto 1 da UFRJ.

RESUMO
Esse artigo apresenta uma análise tipo morfológica da Região Metropolitana do Rio de
Janeiro, a partir de quatro temáticas: desenvolvimento econômico e gestão;
transportes e redes; centralidades urbanas; e paisagem e planejamento. O quadro
teórico-conceitual que fundamenta essa análise utiliza uma série de conceitos como:
sistemas de espaços livres (MAGNOLI, 2006; MACEDO, 2009), regiões urbanas e suas
classificações (FORMAN, 2008), mapeamento participativo (ACSELRAD, 2008), ecoeconomia (BROWN, 2003), redes de fluxos (CASTELLS, 2008) e paisagem e espaço de
SANTOS (2008). A metodologia tem como suporte os instrumentos, ferramentas e
banco de dados desenvolvidos pelo grupo de pesquisa SEL-RJ – Sistema de Espaços
Livres do Rio de Janeiro. A motivação para a escolha dessa abrangente área de
estudo partiu da implantação do projeto do Arco Rodoviário Metropolitano, rodovia
que ligará dois potenciais polos econômicos do Estado do Rio de Janeiro – o Porto de
Itaguaí e o Complexo Petroquímico de Itaboraí – COMPERJ, cuja implantação irá
afetar a dinâmica de todas as cidades que serão cortadas pela rodovia. Os principais
objetivos desse estudo incluem: entender a delimitação atual da Região
Metropolitana e suas relações; propor uma possível redefinição de tais limites a partir
de uma análise sistêmica e ambiental e prospectar possíveis cenários para as áreas
afetadas, que já vêm sofrendo contínuo e crescente processo de transformação da
sua paisagem.
Palavras chave: Análise tipo-morfológica, paisagem, Região Metropolitana, Rio
de Janeiro, Arco Rodoviário Metropolitano.
ABSTRACT
This article presents a typo-morphologic analysis of the Metropolitan Region of Rio de
Janeiro, based on four themes: economic development and management,
infrastructure and transport networks, urban centralities, and landscape and planning.
The theoretical framework for this analysis is based on a series of concepts such as
space systems free (MAGNOLI, 2006; MACEDO, 2009), urban regions and their
categories (FORMAN, 2008), social cartography (ACSELRAD, 2008), eco-economy
(BROWN, 2003), flows networks (Castells 2008)and landscape and space (SANTOS,
2008).The methodology is supported by instruments, tools and database developed by
the research group SEL-RJ – Open Spaces System of Rio de Janeiro. The motivation for
choosing this broad area of study was based on the implementation of the
Metropolitan Ring Road, highway that will link two potential economic poles of the
State of Rio de Janeiro – the Port of Itaguaí and the Petrochemical Complex in Itaboraí
– COMPERJ. Its implementation will affect the dynamics of all municipalities that will be
cut by the road. The main objectives of this study include: to understand the current
delimitation of the metropolitan region and its relationships; to propose a redefinition for
its boundaries from the systemic and environmental and to explore possible scenarios
for the areas, which have been suffering already the continuous and growing
landscape transformation process.
Keywords: type-morphological analysis, landscape, Metropolitan Region, Rio
de Janeiro, Metropolitan Ring Road.

Texto Completo

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

O SISTEMA DE ESPAÇOS LIVRES E A CONSTITUIÇÃO DA FORMA URBANA NA CIDADE DE UBERLÂNDIA, MG

Glauco de Paula Cocozza, Professor Adjunto da Faculdade de Arquitetura e
Urbanismo e Design, UFU, e-mail: glauco_cocozza@yahoo.com.br
Lucas Martins de Oliveira, Graduando do Curso de Arquitetura e Urbanismo da
FAUeD, UFU, e-mail: lmdeoliveira@gmail.com
Izabela Dalla Libera, Graduanda do Curso de Arquitetura e Urbanismo da FAUeDUFU,
Bolsista de Iniciação Científica CNPQ- UFU, e-mail: izabelalibera@yahoo.com.br

RESUMO
Este trabalho apresenta uma análise morfológica da cidade de Uberlândia através do
sistema de espaços livres que se configurou com o crescimento da cidade. Essa
busca revela a organização da forma urbana pelo viés dos espaços livres, elemento
essencial para a estrutura da cidade, e que ao longo do tempo se configurou em
diferentes aspectos no tecido urbano. Para isso, foram analisadas as mudanças
históricas da cidade através da identificação dos parcelamentos feitos em cada
década, desde a sua fundação até a atualidade. Foram observados os vetores de
crescimento, as características do desenho dos bairros, os obstáculos físicos
superados e os modelos de parcelamentos que terminaram por definir as
características do sistema de espaços livres.
Palavras-chave: Cidades médias, Espaços livres, Forma urbana contemporânea.

THE OPEN SPACES SYSTEM AND URBAN FORM CONSTITUTION IN
UBERLÂNDIA, MG

ABSTRACT
This paper presents a morphological analysis of the city of Uberlandia through the
system of open spaces that are configured with the city’s growth. This search reveals
the organization of the urban organization of the open spaces, essential for the
structure of the city, and that over time are configured in different aspects of the urban
fabric. For this, we analyzed the historical changes of the city through the identification
of settlements made every decade since its founding to the present. We observed the
growth vectors, the design features of the neighborhoods, the obstacles overcome and
the physical models of settlements that ultimately define the system of open spaces.
Key-words: Medium sized cities, Open spaces, Contemporary Urban Form

Texto Completo

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com | Deixe um comentário

FORMAS E USOS DAS CALÇADAS NAS RUAS CENTRAIS DE MUNICÍPIOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

 

Alessandro Filla Rosaneli, Arquiteto e Urbanista, Mestre e Doutor pela FAUUSP,
Professor Adjunto no Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPR.

Nisiane Madalozzo. Graduanda em Arquitetura e Urbanismo – UFPR. Pesquisadora
de iniciação científica. nmadalozzo@gmail.com.
Caroline Sampaio de Oliveira. Graduanda em Arquitetura e Urbanismo – UFPR.
Pesquisadora de iniciação científica. carolinesampaio.arq@gmail.com.
Pâmela Cristina Bettega. Graduanda em Arquitetura e Urbanismo – UFPR.
Pesquisadora de iniciação científica. pamela_bettega@yahoo.com.br.
Márcia Maíra Machado. Graduanda em Arquitetura e Urbanismo – UFPR.
Pesquisadora de iniciação científica. gabyru87@hotmail.com.
Gabriela Ruales Orbes. Graduanda em Arquitetura e Urbanismo – UFPR.
Pesquisadora de iniciação científica. gabyru87@hotmail.com.
Denilza Queiroz. Graduanda em Geografia – UFPR. Pesquisadora de iniciação
científica. denilzaq@hotmail.com.

RESUMO
Como produto parcial da pesquisa “Sistemas de Espaços Livres e a Constituição da
Esfera Pública Contemporânea no Brasil – o caso da Região Metropolitana de Curitiba
(SEL-RMC)”, apresenta-se uma análise física das calçadas pertencentes às ruas
centrais dos principais municípios do Aglomerado Metropolitano de Curitiba, com o
objetivo de investigar as condições das ruas e seus elementos constituintes para o
desenvolvimento da esfera pública. Para esta investigação, foram considerados os
municípios de Araucária, Almirante Tamandaré, Colombo, Fazenda Rio Grande,
Pinhais, Piraquara, Quatro Barras e São José dos Pinhais. As visitas de campo foram
estruturadas a partir de cinco critérios: dimensões físicas, acessibilidade, mobiliário
urbano, sinalização viária e infraestrutura, que permitiram verificar os conflitos, os
usos e as apropriações da sociedade em ruas recentemente reurbanizadas e
historicamente consolidadas.
PALAVRAS-CHAVE
Espaços livres. Espaço público. Ruas. Calçadas. Região Metropolitana de Curitiba.

FORMS AND USES IN CENTRAL STREETS SIDEWALKS OF
MUNICIPALITIES OF CURITIBA METROPOLITAN AREA

ABSTRACT
As part of the research product the “Open Space Systems and the Constitution of the
Public Sphere in Contemporary Brazil – the case of Curitiba Metropolitan Area (RMCSEL),” presents a physical analysis of the sidewalks belong to the central streets of
major cities in the Aglomerado Metropolitano de Curitiba, in order to investigate the
role of streets and its constituent elements for the development of the public sphere.
For this investigation, we considered Araucária, Almirante Tamandaré, Colombo,
Fazenda Rio Grande, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras e São José dos Pinhais. Field
visits were structured based on five criteria: physical dimensions, accessibility, street
furniture, signage, and infrastructure that allowed us to verify the conflicts, uses and
appropriations in streets recently re-urbanized and historically consolidated.

Texto Completo

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com | Deixe um comentário

A MORFOLOGIA URBANA COMO ABORDAGEM METODOLÓGICA PARA O ESTUDO DA FORMA E DA PAISAGEM DE ASSENTAMENTOS URBANOS

Alessandro Filla Rosanelli Arquiteto e Urbanista, Mestre e Doutor pela
FAUUSP, Professor Adjunto no Departamento de Arquitetura e Urbanismo da
UFPR.
RESUMO
Este texto apresenta um possível método para a análise quantitativa da forma e
da paisagem de assentamentos urbanos. Especificamente, expõe alguns tópicos
que fundamentaram a investigação das cidades fundadas por companhias
imobiliárias na fronteira do café no Paraná, sugerindo a sua transposição para o
exame de outras situações urbanas. Para tanto, mediante sucinta apresentação
de específicos caminhos metodológicos no campo da morfologia urbana,
recupera-se os princípios da “escola britânica” de morfologia urbana,
oportunamente transpostos para o contexto de países do “Novo Mundo”.

PALAVRAS-CHAVE: Morfologia Urbana. Metodologia. Paisagem urbana. Fronteira. Norte do Paraná.

THE URBAN MORPHOLOGY AS METHODOLOGICAL APPROACH FOR
STUDYING FORM AND TOWNSCAPE OF URBAN SETTLEMENTS

ABSTRACT
This paper presents a possible method for quantitative analysis of form
and townscape of urban settlements. Specifically, it exposes some topics that
founded the investigation of cities created by real estate companies on the coffee
frontier in Paraná State, suggesting its implementation for the examination of
other urban situations. For this purpose, by brief presentation of specific
methodological approaches in the field of urban morphology, retrieves the
principles of the “British school” of urban morphology, appropriately transposed
to the context of countries of “New World”.
KEY-WORDS: Urban Morphology. Methodology. Townscape. Frontier. Northern Paraná State.

Texto Completoi

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com | Deixe um comentário

CONFIGURAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA/ES: REFLEXÕES SOBRE OS ESPAÇOS LIVRES E ÁREAS AMBIENTALMENTE FRAGILIZADAS

Daniele Goldner Garcia
Mestranda do curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade
Federal do Espírito Santo – UFES

RESUMO
Este artigo trata da constituição do espaço urbano do município de Vila Velha, avaliando sua expansão desde a década de 1970 até os dias atuais buscando identificar seus eixos de
desenvolvimento e a relação estabelecida entre as áreas ambientalmente frágeis com o uso e o tipo de ocupação proposta, levando em consideração que a manutenção de áreas verdes e de espaços livres na cidade contribuem para um equilíbrio ambiental e melhoria na qualidade de vida dos habitantes. Considerando a importância do estudo dos sistemas de espaços livres, identificam-se as intenções futuras de ocupação desse território avaliando o grau de importância dada aos espaços livres e às áreas naturais, enfatizando a importância da elaboração de estudos apropriados para a região.
PALAVRAS-CHAVE: espaços livres; meio ambiente; configuração urbana; planejamento urbano; paisagem urbana.

URBAN CONFIGURATION OF THE MUNICIPALITY OF VILA VELHA/ES:
REFLECTIONS ON OPEN sPACES AND ENVIRONMENTALLY FRAGILE AREAS
ABSTRACT
This article deals with the organization of urban space in the municipality of Vila
Velha, evaluating its expansion since the late 1970s to the present day, seeking to
identify their axes of development and the relationship established between
environmentally fragile areas and the use and type of occupation proposed, taking into
consideration that the maintenance of green areas and open spaces in the city
contributes to the environmental balance and improvement in quality of life of the
inhabitants. Considering the importance of the study of systems of open spaces, future
intentions of occupation of that territory are identified by assessing the degree of
importance given to open spaces and natural areas emphasizing the importance of
appropriate studies for the region.
Keywords: open spaces; environment; urban setting; urban planning; urban landscape.

Texto Completo

Publicado em Anais do 6º Colóquio QUAPA-SEL | Marcado com | Deixe um comentário